Lingeries Sexy

   


» Peças íntimas invadiram o conjunto nacional

20/02/2009


Divulgação



Brasília comemorou esta semana o Dia Nacional da Roupa de Baixo. Modelos desfilaram peças de 20 marcas de lingerie nos corredores do Conjunto Nacional e na Rodoviária do Plano Piloto. É a segunda edição do projeto, criado pelo site de moda brasiliense Finíssimo. A iniciativa foi inspirada em um evento parecido, que acontece desde 2003 em Nova York, nos Estados Unidos, e tem apoio dos fabricantes de lingerie.

Mas não é de hoje que a peça íntima desperta interesse. Uma lingerie pode ser uma ótima arma de sedução ou destruir um momento romântico. Uma cueca pode lhe dar ares de homem sedutor ou lhe mostrar como um ser objeto. As roupas de baixo acompanham as pessoas desde o início da humanidade e dizem muito sobre suas personalidades.




A tecnologia têxtil do início do século 20, permitiu um relaxamento nos corpetes e espartilhos femininos e tecidos mais confortáveis aos marmanjos. Foi na virada do século que o americano Benjamin Joseph Clark criou a cueca boxer, mais firme, justa e curta, muito parecida com as atuais.

Com as separações das roupas de baixo, as calcinhas também diminuíram e agora as pernas eram cobertas por meias de tecido, substituídas depois pelo nylon. E também é aí que, inspiradas pelas dançarinas francesas de can-can, as mulheres começaram a usar a liga, tanto nas pernas como na cintura.

Nesse processo da sedução, as mulheres contam com a tanga (bem mais curtinha), a fio-dental (que necessita de muita parcimônia por parte da moça para usar porque pode chocar e passar a mensagem "hoje estou fácil") e a cinta-liga (muito sensual, matadora, mas também tem hora certa).
 

Branco e preto são recomendáveis, vermelha precisa de muito conhecimento para não parecer vulgar, calcinha e/ou sutiã bege estão completamente descartadas da equação, por mais que "combine com a roupa", pois passam a idéia clara que o homem está para transar com sua avó. E as com mensagens e bichinhos são ótimas quando se tem de 8 a 12 anos, mas depois fica meio estranho, a menos, obviamente, que faça parte da fantasia do casal.
 

Já os homens tem a slip com ou sem abertura, as samba-canção (de seda está muito fora de moda hoje em dia), as boxer (muito indicadas, bonitas e confortáveis) e as joks (ótimas para luta greco-romana). Branca e preta são ideais. Azul, somente se for beirando o preto.

De qualquer maneira, seja homem ou mulher, o importante é não descuidar desta peça do vestuário. Vestir qualquer coisa porque ninguém vai ver é uma tremenda roubada. Nada mais agradável a um homem que despir uma mulher e vê-la com uma lingerie bonita, nova e sensual. O mesmo para a mulher, quando seu homem tira a roupa e mostra que sua cueca condiz com seu tipo físico.




 


Receba periodicamente o resumo dos eventos e novidades do luxo
clique aqui